BLOG

Burnout: O Maior Inimigo da Sua Empresa

Atualizada em 2018 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), na Classificação Internacional das Doenças (CID-11), que entrará em vigor em 2022, a Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional é um distúrbio psíquico que resulta do não gerenciamento do estresse crônico experienciado no local de trabalho, bem como a sua realização e envolvimento em excesso. Diagnosticado por profissionais da saúde, como Psicólogos e Psiquiatras, a partir de uma análise clínica, possui como principais sintomas os sentimentos de exaustão física, mental e psicológica, e a diminuição da conexão mental com as atividades solicitadas no ambiente profissional, bem como a redução da eficácia de seus entregáveis.

Ao pensar sobre o clima de uma organização que contribua para esse tipo de estado em seus colaboradores, pode-se constatar que há uma promoção ininterrupta de distanciamento, sentimento de rejeição ao local e sua cultura, além da promoção de uma experiência negativa e possivelmente traumatizante para carreiras profissionais, chegando ao ponto da solicitação de desligamento, o que agrava o seu estado quando compreendem-se suas necessidades pessoais. Tais fatos, sem dúvidas, acabam por denegrir e perturbar a imagem da organização perante o mercado, o que acarreta não somente em desafios internos, mas externos. É por meio de uma construção perturbada no ambiente interno da empresa, que o cotidiano vivenciado acaba por ser transposto para a qualidade dos serviços para com o público, possibilitando a rejeição de futuros potenciais funcionários e de seus consumidores.

Dada uma reação em cadeia que parece não ter fim, de que forma é possível que as organizações possuam um ambiente harmonioso e agradável de se trabalhar, e que atraia e entretenha os contribuidores?

A partir do investimento no funcionário e no reconhecimento daquilo que vem exercendo, há um maior sentimento de acolhimento, e como consequência de pertencimento, mas principalmente, a preocupação e promoção da saúde e bem-estar, as quais interferem na qualidade das suas atuações profissionais e pessoais. A compreensão de se terem Recursos Humanos favoráveis e bem constituídos, acarreta o olhar atencioso e honesto para com aquela pessoa que auxilia e possibilita o crescimento empresarial. Não obstante, há a necessidade do indivíduo de conhecer seus limites de atuação, aqueles que podem vir a causar danos quando não bem escutados e tratados. Sendo assim, o movimento pessoal de conhecer e saber impor limites de acordo com a sua necessidade é de extrema importância, tendo nesse quesito o poder da resiliência e responsabilidade de ambas as partes.

Em síntese, contribuir para um ambiente saudável, no qual insere-se na cultura o ato de prezar pelo outro, possibilita que a relação desse outro com o contexto e com ele mesmo sejam construtivas, promovendo estímulos reversos aos que contribuem e agravam a Burnout. Ademais, com uma boa estruturação de ferramentas de Recursos Humanos que propiciem o contato e a interação com o colaborador, aumentam as probabilidades de auxílio e percepção sobre o modo com que ele interage e lida com o trabalho, potencializando a capacidade de atuação da organização.

Por Beatriz Santangelo, graduanda em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie e Diretora na área de Recursos Humanos na Consultoria RH Junior.

Categorias