Recursos Humanos e a mobilidade social

“É no problema da educação que assenta o grande segredo do aperfeiçoamento da humanidade.” (Imannuel Kant)

Em tempos de maior concentração de renda devido à crise de 2008, 1% da população mundial detém 50% de todo o PIB mundial (US$ 38,5 trilhões) e, em termos de Brasil, 1% de nossa população detém 27% da riqueza nacional (US$ 600 bilhões). É necessário pensarmos em modos de promover a mobilidade social para frear a desigualdade econômica presente no mundo.

Entretanto, existe possibilidade dos Recursos Humanos contribuírem para essa causa? Com certeza! A maior possibilidade de libertação do homem é pela educação e é centrado nessa questão que podemos traçar planos de ação.

O primeiro ponto é através da Descrição de Cargos: ao promover o mapeamento das competências técnicas e comportamentais necessárias a um cargo, os funcionários têm ciência do que necessitam. Já o Plano de Carreira & Salários proporciona um futuro dentro da empresa, esclarecendo qual caminho o funcionário pode trilhar e como agir para conquistá-lo.

Ao ter seu salário definido com possibilidade de crescimento, entra em foco outra opção que a área de RH oferece: o PLR (Participação de Lucros e Resultados) e o Plano de Bonificações. Quando os funcionários têm estabilidade no emprego, o acréscimo financeiro via bonificações garante renda às famílias.

Quando as famílias possuem uma renda significativa podem garantir educação aos seus filhos, dando a oportunidade de cursar o Ensino Superior, garantir melhores empregos e a emancipação das futuras gerações. Bem como tem acesso a um plano de aposentadoria que lhes proporciona um conforto na terceira idade.

O investimento na educação é necessário porque:
– A cada ano extra de escolaridade a renda individual aumenta em até 10% (Movimento Global Todos pela Educação/2011);
– A cada ano adicional de escolaridade a média anual do PIB aumenta em 0,37% (UNESCO);
– 80% dos jovens com Ensino Superior vão às urnas, tem maior consciência política de sua nação e são mais engajados socialmente (Organização Econômica para Cooperação e Desenvolvimento);
– Contribui para o crescimento econômico do país e para a promoção de igualdade racial e de gênero, permitindo o crescimento pessoal

Dessa maneira, a área de Recursos Humanos também pode contribuir e muito para a redução das desigualdades sociais globais, afinal também queremos um Brasil melhor em todas as suas formas.

Por Luís Bernardo, graduando em Psicologia pelo Mackenzie e ex-membro da RH Junior Consultoria.