Liderança Horizontal x Liderança Vertical: Qual o melhor caminho?

Com a mudança de mentalidade e a busca por uma maior cooperação dentro das organizações, coloca-se cada vez mais em cheque qual o caminho que um líder deve tomar. Preferir o modelo tradicional, vertical e hierarquizado, onde os processos são mais importantes que as pessoas ou optar pela liderança horizontal onde temos colaboradores mais independentes e a responsabilidade é igualmente repartida?

Por que nos prendermos a hierarquias e a um alto custo de burocracias? Max Weber já dizia que a burocratização promove a eficiência e é a condição essencial ao funcionamento de qualquer organização, seja pública ou privada. Mas seria tão difícil enxergar que os chamados “modelos clássicos racionais” têm seus limites?

Quando se começa a pensar em uma liderança horizontal, as altas gerências têm de serem companheiras de seus funcionários. Exige-se muito mais o comprometimento profissional, mas se ganha em uma comunicação cada vez mais franca, onde a iniciativa em apontar problemas não é mais chantageada pelo medo da crítica ou desagrado.

Um processo que pode custar caro pela reformulação, porém atrela um capital humano que tende a assumir erros da forma mais verídica possível, na qual se leva em conta o princípio do consenso, que busca a integração que de início pode faltar.

E o papel do líder? Como deve ser?

Como Sim Sinek, autor do best-seller “Como Grande Líderes Inspiram Ação”, afirma: “temos o sentimento de cooperação e confiança e, apenas quando o verdadeiro líder se sacrifica, coisas realmente impressionantes acontecem”.

Para ele somos forçados a gastar tempo e energia para nos proteger uns dos outros, enfraquecendo a organização. O constante medo de perder o emprego não faz que confiemos em um líder. O grande líder deve se sacrificar pelo seu povo, dar-lhes todas as possibilidades de crescimento e oportunidades para alçar o maior voo que puderem.

O verdadeiro líder não sacrifica seu povo em prol dos números. Este quem o faz é a autoridade, que prefere sobrepor seu ego ao justo, dedicar-se somente ao seu status e se limitar a uma pequenez tamanha de empatia.

O real líder tem sempre que ter em mente: “Então por que demitir simplesmente pela questão do desempenho? A vida humana não vale mais que o número?”.

Este é o fato que nos difere dos animais, porque afinal se queremos construir uma sociedade justa a via é pelas relações humanas, e uma das mais importantes, a do trabalho, senão nos reduziremos simplesmente a uma civilização amorfa.

Por Luís Bernardo, graduando em Psicologia no Mackenzie e consultor externo na RH Junior Consultoria.